Você está aqui: Página Inicial > Notícias > MDH participa de roda de conversa sobre a situação da mulher negra

Notícias

MDH participa de roda de conversa sobre a situação da mulher negra

por publicado: 25/07/2018 17h53 última modificação: 25/07/2018 17h55

O Ministério dos Direitos Humanos, por meio da Secretária Nacional de Políticas para Mulheres (SNPM) e da Secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, participou de uma roda de conversa promovida pela ONU Mulheres nesta terça-feira (24). O encontro reuniu especialistas que destacaram a importância de assegurar políticas públicas com recorte de gênero e raça.

Durante o evento, foram ressaltados dados a exemplo da pesquisa recente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que mostra que nos últimos 10 anos a taxa de homicídios de mulheres negras no Brasil aumentou em média 15%, enquanto entre mulheres não negras esse mesmo índice caiu 8%. A situação das mulheres na Nicarágua foi apresentada pela coordenadora geral da rede, Dorotea Wilson.

“Estamos atentos a essa realidade e temos trabalhado para o fortalecimento das políticas para mulheres e de igualdade racial”, ressalta o ministro Gustavo Rocha.

Outra palestrante convidada foi a especialista em relações sociais e racismo, Maria Inês Barbosa. O histórico de avanços foi apontado durante o painel, sem deixar de sinalizar que o ritmo precisa ser impulsionado. Nesse sentido, a Secretária Nacional de Políticas para Mulheres, Andreza Colatto, assumiu o compromisso com a pauta, em mensagem de abertura conduzida pela ONU. O Ligue 180, serviço de utilidade pública, foi mencionado como ferramenta de boas práticas.

O secretário de Promoção da Igualdade Racial, Juvenal Araújo, relembra importância do dia 25 de julho, data em que se celebra o Dia da Mulher Negra e Latina Caribenha. Nessa regiões, a população afrodescendente soma quase 130 milhões de pessoas, de acordo com dados de censos realizados até 2015. “No Brasil, hoje também é o Dia Nacional da Mulher Negra em homenagem à líder quilombola Teresa de Benguela, que viveu em Mato Grosso e lutou contra a escravidão no século XVII”, recorda.